Círculo Virtuoso

Mágoa, decepção, ressentimento, culpa, tristeza.
Todos temos esses sentimentos em relação a outras pessoas e a nós mesmos.
Alguns tem mais, outros menos. Alguns os tem muito vívidos na alma e outros os deixam adormecer no profundo inconsciente.





Mas, esses sentimentos nos travam, nos bloqueiam, impedem nosso crescimento.
Se a sua vida sempre chega num ponto onde você acha que "o negócio vai dar certo", mas trava e acaba voltando para o ponto de partida; se você se esforça e não entende por que não consegue o que deseja; se você vive em círculos onde as situações e pessoas se repetem; se você não consegue ter força para colocar em prática seus sonhos e idéias... bom, eu digo que tudo isso talvez esteja acontecendo por causa desses sentimentos de mágoa, decepção, culpa e tristeza que você mantém guardados e por vezes nem tem consciência.

Digo isso porque passei por uma fase difícil e acabei de constatar que minha vida quase inteira se resumiu a andar em círculos por não resolver estes sentimentos dentro de mim.
Pare e pense um pouco: analise se as mesmas situações se repetem a todo momento em sua vida, apenas com pessoas diferentes. Se este for o seu caso, assim como era o meu, eu te aconselho a continuar lendo este texto, pois tenho certeza que se você quiser, conseguirá sair deste círculo vicioso e  hoje mesmo criar o seu círculo virtuoso!

A vida é constante evolução, desenvolvimento, aprendizado.
O que nos trava não são as atitudes dos outros ou as situações adversas e sim como lidamos com os sentimentos que surgem a partir destes acontecimentos.
No meu caso, toda mágoa, ressentimento, decepção e tristeza eram interiorizados e eu sempre assumia toda a culpa do acontecido, porque acredito que você atrai aquilo que emana.
Meu cérebro me dizia: "Isso aconteceu porque você tinha que aprender alguma coisa." E realmente sempre tirei lições de tudo. Porém, meu coração sentia o baque e esse baque não era liberado, e sim jogado no fundo do armário do meu peito, bem escondido, para que meu cérebro tivesse a certeza de que aquilo havia passado e que só o ensinamento havia ficado. Assim poderia seguir minha vida, até que outra pessoa ou situação me travasse de novo, trazendo novamente os mesmos sentimentos à tona.

Até que... bem, até que a vida fez a pessoa que foi o exemplo para grande parte da construção da minha personalidade, uma pessoa que cuidou de mim e por quem eu tinha a maior estima do mundo me causar sofrimento.
Num primeiro momento agi da mesma forma de antes, pensando: "Tudo é aprendizado. Que essa pessoa siga com sua vida, que eu seguirei com a minha..." Só que todas as emoções estavam potencializadas pela importância que essa pessoa teve na minha vida. Tudo começou a ficar nebuloso e travou: primeiro foi o meu físico - óbvio! - dai meus sentimentos, minhas lágrimas, meu trabalho, meu dinheiro... Até as pias da minha casa entupiram, coisa que nunca havia acontecido!

Comecei a buscar formas de trabalhar isso em mim, pois novamente atribui a culpa a mim mesma, afinal foram 32 ano agindo assim. Toda a responsabilidade era minha. Toda a culpa era minha, por mais absurdo que poderia parecer. Só que isso não existe. A palavra "culpa" é um fardo pesado que ninguém deveria carregar.

Estamos todos no caminho do aprendizado. O que para mim é óbvio, para você pode ser tão distante da realidade, e vice-versa...

Graças a Deus, tive ajuda de pessoas maravilhosas colocadas em minha vida como anjos. E hoje, numa leitura, tive a bendita síncope!
O círculo vicioso vem através do medo: medo de olhar de frente para esses sentimentos, deixá-los fluir e tirar o ensinamento verdadeiro de cada situação. Para não ter que encarar, a forma menos dolorosa era atribuir toda culpa - disfarçada de responsabilidade - a mim mesma, disfarçando os sentimentos e seguindo, assim, com minha vida.

Porém, como fazer para transmutar estes sentimentos e este hábito tão arraigado?

A vida é um contínuo desenvolvimento. Todos nós somos Deus. Na minha concepção, Deus um dia chegou num estado de evolução total onde a luz é tão plena e completa, que se multiplicou em diversas individualizações, desde uma pedra, a um ser humano, do sol a um planeta, de uma formiga ao vento, para que a evolução pudesse continuar.
Tudo o que você vê, ouve, sente, é Deus.
Portanto, todos somos aprendizes e professores ao mesmo tempo, neste caminho de evolução.

Passo-a-passo para transformar sua vida:

A primeira coisa é ter coragem de DEIXAR OS SENTIMENTOS FLUIREM. Olhar para você mesmo e deixar toda essa energia vir a tona. Chore, grite, se descabele, mas não disfarce nem esconda esses sentimentos de você mesmo!

Depois disso, ao invés de se culpar, AGRADEÇA pelo fato ocorrido, pois este serviu de aprendizado. Agradeça à pessoa pela qual você sente mágoa, pois ela foi sua professora naquele momento. A pessoa que te feriu foi um agente importante para sua evolução.

O próximo passo é TER RESPEITO POR VOCÊ MESMO! Ter respeito pelo seu sentimento. Ter respeito por suas próprias limitações. Ter respeito pelo caminho da sua própria evolução. Ter respeito por suas escolhas de vida. Ter respeito, consequentemente por todos que estão ao seu redor, sabendo que eles também podem fazer suas próprias escolhas. Tomar toda a culpa para si é um desrespeito consigo mesmo! Você atrai sim o que emana, mas tudo sempre tem por fim, o desenvolvimento.
Respeite seu corpo, respeite seu tempo, respeite seus sonhos, respeite seus dons, afinal tudo isso é Deus sendo manifestado.

Respeito também é amor. A gente cresce achando que amor é moeda de troca. Eu amo e por isso quero o melhor para o outro: mas tem que ser o MEU MELHOR! O que eu encaro como melhor, mesmo que para isso eu tenha que mudar o outro, que fazer ele ser como eu. Afinal de contas, eu sei o que é melhor e o que é certo, e por eu ser tão bom, vou mostrar ao outro como ele tem que ser. Porém, ele tem que ser grato pelo meu sacrifício em conviver com os seus defeitos e fazê-lo melhorar... 
Quando a gente escancara desse jeito, chega a ser cruel, não é mesmo?
Mas, sim, é isso que aprendemos que é o amor, quando na verdade isso se chama egoísmo e baixa auto-estima.

O amor de verdade - aquele que é incondicional de verdade - é a atitude de aceitar as pessoas com o elas são e deixar que elas sigam com sua evolução. Amor de verdade é perceber que as pessoas entram e saem de nossas vidas para que nós possamos assumir o papel tanto de aprendizes quanto de professores, e não para que elas nos façam felizes.

Feliz é a pessoa que entende que tudo é uma coisa só, que "o aprendizado é o próprio fim" - como já diz Jorge Versilo - e que devemos deixar pessoas e sentimentos fluirem e irem embora de nossas vidas assim como entraram, sem cobranças a nós ou a elas.



Achou difícil? Então, peça ajuda! Peça ajuda aos seus amigos de verdade, peça ajuda orando, busque ajuda lendo um livro, tomando um banho de mar. Você não está sozinho e não é obrigado a resolver tudo sozinho. Mas pratique, e tranforme essas atitudes em um novo hábito.

Prepare-se para sua nova vida!
Tenha coragem de se aceitar como é. Tenha coragem de aceitar que todas as experiências servem para incorporar conhecimento à sua vida. Tenha a coragem de se ligar aos seus dons e fazer o que tem que ser feito!.

Boa vida para você!

Com amor,

Joana