Enxaquecas e marés...

Às vezes a vida age como uma mãe te dando bronca.
Te coloca de castigo e se você for mimada ou rebelde, só consegue pensar que não está brincando lá fora, ao invés de pensar e entender o ensinamento.


Hoje isso aconteceu comigo. Mil coisas para fazer - de verdade: mil coisas! - e a vida quase me trouxe uma enxaqueca.
Só que o interessante é que antes de vir A dor, vejo uns brilhos e desenhos geométricos que fazem com que eu não consiga enxergar mais nada. É ai que tomo uma dipirona, deito por uns 20 minutos, passo reiki, faço alinhamento (veja mais aqui), e geralmente a dor não vem. Graças a Deus, porque quando vem é insuportável!
É difícil me dar isso...

Mas, a primeira vez que me deu eu tinha uns 12 anos. E sempre que começa a ficar meio ceguinha, até chorava de pensar que eu teria que parar e torcer para a dor não vir. Geralmente tenho isso de duas a quatro vezes por ano.
E depois de 20 anos tendo a bendita, descobri hoje que ela nada mais é do que uma mãe me dando bronca e dizendo: "Para e volta, Joana! Volta porque você está remando contra a maré!"

Ontem, passando em frente à praia de São Vicente, próximo à ponte Pênsil - quando vai abrir aquilo, héin, gente? - vi o mar e um rapaz fazendo stand up. Percebi que o mar está em movimento e segue a sua maré. O rapaz em cima da prancha até estava remando, estava tentando seguir uma direção, mas todos que estavam no mar tinha que se curvar e se movimentar junto com a maré, mesmo sem perceber.
A maré não estava indo numa determinada direção por causa das pessoas. O mar tem a sua própria maré, e o rapaz simplesmente estava ali...


Daí, aquariana que sou, lembrei disso hoje. A vida só me para quando eu tenho esse troço, porque apesar de no início não sentir dor, eu realmente não consigo enxergar nada!
Esses primeiros 20 minutos - depois eu volto a enxergar normalmente - servem para que eu pare de olhar para fora e olhe para dentro.

Entrei no meu Espaço do Coração (saiba mais aqui), e comecei a tentar entender porque aquilo estava acontecendo, justo no momento em que eu achava que precisava estar com 100% de foco para terminar tudo!

Então, entendi que brigo com o tempo. Eu mesma me imponho prazos que fazem com que eu não consiga fazer mais nada além de trabalhar. E meu pensamento para 2014 é mudar isso.
Desde o começo do ano venho conseguindo, mas nos últimos dias tenho estado me pressionando como antes. Eu me imponho carregar um peso desnecessário, e olha, eu até engordei nesses últimos dias.
É só uma questão de estar desperta para ligar uma coisa à outra. Peso na vida = peso no corpo.

Dai, minha Mãe Vida me coloca de castigo para eu perceber que não sou eu quem dita a direção da maré.
A mente fica louca quando descobre isso! A gente não aceita, resiste!
Mas, não importa o quanto eu me esforce, o quanto eu trabalhe e o quanto eu me obrigue: a direção da maré já existe e quanto mais tempo eu tiver para olhar para dentro, mais nítida essa direção fica e mais fácil as coisas se tornam porque eu começo a seguir junto com ela.

Portanto, o que fica hoje é o seguinte:
- planejar prazos incluindo tudo o que sou (não só o trabalho);
- mais momentos de diversão, porque são esses momentos que nos lembram que estamos conectados (e é ai que as idéias e insights surgem.)

Agora, voltando para o caminho em três, dois, um...

Até a próxima.