3 - Fases dos filhos pequenos



No segundo post da série "A mamãe tá trabalhando" (leia aqui), sugeri que você se fizesse uma pergunta: O que quer de verdade? 
Você conseguiu responder?
Se não conseguiu, relaxe! Sugiro que pense no assunto e depois esqueça.
Fique atenta ao que a vida vai lhe mostrando, ao que você está sentindo (esqueça a cabeça, pois a mente, mente... como diria minha mãe citando Gasparetto), e fique aberta. Só assim as respostas surgem. Se você acredita numa força superior, é hora de se conectar a ela.

Mas, você deve estar pensando: "Que louca, essa Joana! O que tem a ver tudo isso com o fato de eu querer trabalhar em casa para ficar com meu filho?"
Vou te explicar: eu percebi que cada caso é um caso, mas no final, filhos e mães só mudam de endereço!

Se você não tiver bem claro e específico na sua cabeça qual é a seu propósito de vida e o que quer para esse momento específico, pode acabar ficando louca, porque a partir do nascimento de seu filho (talvez até da gravidez), você vai ter que adequar o seu dia-a-dia às fases pelas quais ele vai passar.

Aqui eu vou descrever algumas, mas tenho certeza que as mães que estão lendo podem dar mais mil exemplos!
E por favor, vamos compartilhar deixando comentários para ajudar as outras mamães, ta!



A primeira fase, na maioria, é aquela em que seu filho vai acordar durante toda a madrugada e você vai acabar virando zumbi durante o dia! Se iniciar o seu negócio ai - como eu, que comecei com a Banana-cazza quando a Luiza tinha 1 mês de vida - vai ter que rebolar, porque a falta daquele sono sem interrupções faz você esquecer as coisas, ficar mais lenta, com o humor alterado...
E o pior é que não adianta ninguém falar: você só vai saber o que é depois de passar pela coisa toda.

Veja, essas são as consequências comprovadas da falta de sono numa pessoa: cansaço, falta de motivação, lentidão, mau humor, diminuição da criatividade, redução da imunidade propiciando infecções e doenças como obesidade e diabete e problemas do coracao, dificuldade de concentração e para tomar decisões, problemas na coordenação motora. Ufa!

Agora, você sabe por que a gente aguenta? Porque a gente é mãe! 
É verdade! A gente tem hormônios e substâncias que são produzidas no nosso corpo depois do parto e durante a amamentação, e essas substâncias nos protegem de doenças e nos dão força para cuidar do nosso bebê e de tooodo o resto!




Eu amamentei a Luiza até os 6 meses e só depois comecei a dar as comidinhas, suquinhos e etc. Enquanto ela só mamava no peito era super fácil, porque ela tinha os horários para mamar: era só levantar a blusa e estava tudo certo!
Quando ela tinha 5 meses e meio minha mãe deu a primeira bananinha amassada para ela. <3
E foi ai que eu comecei a ter que fazer o almoço, sem exceção! 
Pode parecer que não, mas vai um tempo nisso, viu! 
E o ideal é fazer a comida fresquinha por causa dos nutrientes, então não dá para fazer num dia e congelar para a semana toda. É todo dia, toda hora, e haja criatividade! 
Não é uma tarefa penosa, mas tem que ser feita e leva tempo.





Nessa fase, quando seu filho tiver por volta de 1 ano, provavelmente você já vai estar dormindo melhor - oremos! - mas durante o dia você não vai conseguir ficar mais de 15 minutos concentrada em alguma coisa [e essa parte dura ainda por muitos anos].
Porque seu pequenino vai estar ensaiando os primeiros passos e depois realmente andando, e consequentemente, mexendo em tudo o que ele (não) puder, e querendo ir para todos os cômodos da casa. E você claro, vai ter que ficar correndo atrás dele. 
[Não me inventa de deixar a criança o dia inteiro num chiqueirinho porque ai também não vale, né!]




Falando em 15 minutos de concentração: esqueça isso! 
As sonecas que ele tira de tarde um dia vão acabar! Em alguns casos elas nem começam! 
Você vai ter que acordar mais cedo que ele ou ir dormir bem depois. Porque durante o dia vai ser assim: 
Você acabou de sentar para trabalhar. 15 minutos depois ele vai te pedir água. Você vai levantar e vai pegar.
Ai você vai sentar de novo. 10 minutos depois ele vai pedir para ir ao banheiro. Você vai levantar e vai levá-lo ao banheiro.
Sentada de novo: "Onde eu estava mesmo?". Mais 15 minutos de paz e ai ele pede para você olhar o desenho que ele fez. Você dá aquela olhadinha e fala: "Que lindo! Parabéns, muito bem, nota 100!" - e ele responde: "Olha aqui mamãe! Vamos por lá no quarto!" Ai você levanta para levar com ele o desenho até o quarto... 
E assim é durante o dia todo. Eu por exemplo acordo umas seis e meia para começar a trabalhar às sete horas. Nos dias mais friozinhos a Luiza acorda lá para umas dez horas da manhã. Ou seja, três horas de trabalho ininterruptas! \o/ 
Na parte da manhã é mais fácil porque ela fica meio preguiçosa. Então eu vou até meio dia sem problemas. Depois do almoço é que "o bicho pega", e vai assim até dez horas da noite quando ela vai dormir.





Então, graças a Deus minha filha nasceu de parto normal, mamou bem até os seis meses e quando começou a comer eu vivia fazendo suco de beterraba, cenoura, laranja e maçã na centrífuga (é, tudo junto mesmo), para ela. E, na minha opinião, isso é que fez com que ela fosse super saudável (lembrando que não é regra).
Ela não fica doente, gente! É muito difícil e quando fica é coisinha boba. 
Mas, todos os dias em que ela tomou vacina foram reservados à ela exclusivamente. 
Das vezes que ela ficou gripada, os dias eram reservados para ela exclusivamente...
E se você não tiver tempo de fazer alguma entrega, seu cliente não tem nada a ver com isso!
Não adianta querer explicar que seu filho estava doente e você passou a madrugada no pronto socorro com ele (não é o meu caso), porque vai parecer falta de profissionalismo para o seu cliente.




Pois é! O meu trabalho era com linhas e tecidos, papéis, computador, celular. Adivinha se a Luiza já não deu muitos nós nos meus novelos? Até hoje ela faz isso, por mais que eu explique! 
Vai ter uma hora que seu pequenino vai ficar curioso e vai começar a mexer nos seus materiais de trabalho. 
Quantas vezes eu estava embalando produtos e quando menos esperava, lá estava a Luiza em cima de uma das caixas de papelão, ou dentro da caixa, ou colocando seus brinquedos dentro da caixa! 
Não é mole porque, por mais que você fale, seu filho muitas vezes não vai conseguir se segurar.
Dai você pensa: "Deixa eu arrumar alguma coisa para ele se entreter." Mas, se for igual à minha Luiza, depois de uns 10 minutos ela já se cansa e começa a procurar outra coisa para fazer. Ai, toca você ter que parar e arrumar outra coisa.
Ou seja, algo que demoraria 1 hora para você fazer, acaba demorando 3...




Essa é a fase que vai durar mais e onde você vai começar aquele diálogo interno que só te deixa aflita e em dúvida, isso se você não respondeu à fatidica pergunta logo no início da empreitada:
"Filha, a mamãe tá trabalhando! Não posso parar agora para desenhar com você / jogar jogo da memória com você / dançar a música de abertura do desenho com você / ir lá fora para você fazer bolinha de sabão / etc, etc, etc"
Daí você começa a conversar com você mesma: "Será que vale a pena fazer o meu negócio crescer? Vale a pena colocá-la numa escolinha? Mas, poxa - você diz para você mesma - você começou a trabalhar em casa justamente para não ter que fazer isso...  Mas o negócio está indo tão bem! Dá dó parar com tudo, porque se não for para crescer, não dá para retroceder! Vou retroceder na minha carreira, no meu negócio, porque não quero colocar minha filha na escolinha? Eu tenho que me desapegar... Mas, como assim, me desapegar da minha filha? Se bem que, se ela fosse para uma escolinha a tarde pelo menos, eu já conseguiria pelo menos umas 4 horas de foco total no trabalho. Só que não dá para ser em qualquer escola, né! E a escola que eu quero é longe de casa (olha o apego e a dúvida aí...). E agora?"



E é por isso que eu digo que você tem que decidir agora o quer de verdade!
Porque, seja qual for a fase em que seu filho estiver, você vai conseguir sair ilesa ou com o mínimo de dúvidas possível!
Mais fácil para você, melhor para o seu filho!

Grande beijo e até a próxima sexta-feira!

(Leia o próximo post da série aqui)



Você sabia que pode receber as atualizações do "Quanto Mais Simples Melhor!" por e-mail?