Daqui a 20 anos


Sobre a vida...
Hoje eu vim compartilhar um momento importante da minha vida porque fiz muitas amigas na internet e acho que quando a gente compartilha as dificuldades e facilidades que vivemos, muita gente pode aproveitar a experiência e ainda dar mais dicas ou até apoio.

Eu acredito muito que as pessoas gostam de se ajudar, principalmente quando estão longe.
Quando estão perto... bom, depende!

Sempre fui uma pessoa muito independente.
 Sempre "corri atrás" das minhas realizações.

Depois que tive minha princesa Luiza (hoje com 2 anos e 3 meses), acabei entrando numa rotina onde esqueci de mim e de quem eu sou de verdade.
Na verdade, acho que esse processo começa no dia em que casei.
Não, não estou culpando meu marido, muito menos minha filha...
Estou apenas constatando como pessoas que tem "o mundo pela frente" de repente preferem se trancar num lugar pequeno.



Eu costumava dançar (já até dei aulas...).
Eu costumava ler. Sempre tinha um livro em minha cabeceira.
Eu tinha planos de estudar lá fora, de ir pra sampa, de ser uma mulher de sucesso antes dos 30...
Mas, muita coisa ficou pra trás porque eu deixei o dia-a-dia me engolir.
Hum... acho que muita gente está se identificando agora...



O que me salvou até agora foi a oportunidade de criar através da Banana-cazza. E eu sou muita grata à essa oportunidade. Porém, hoje me vejo em dívida até com minha loja e minhas clientes, pois tenho tantas idéias até para produtos novos que acabam não saindo do papel!

Bom, estava naquele ponto crucial em que algo tinha que mudar. Em que eu queria me achar novamente. Sabe aquela menina maluquinha de 22 anos, que queria o mundo? Então, essa mesmo!

Ai, surgiu a oportunidade de fazer um seminário sobre empreendedorismo.
Foi um desafio e tanto decidir participar, pois foi um seminário de 6 dias, começando às 8h e terminando... bom, não tinha hora para acabar.
Digo desafio porque, desde que nasceu, minha filha ficou o tempo todo comigo.
Só a deixava com minha mãe, minha sogra e minha cunhada quando realmente era necessário e ainda sim, somente por um período do dia.
Para fazer o seminário tive que deixá-la numa escolinha desde as 7h da manhã (ela acostumava acordar às 9h), e o primeiro que chegasse do trabalho (marido ou cunhada) ia buscá-la.
Eu chegava em casa 9h da noite, super agitada, com mil coisas na cabeça, e ainda dava banho nela, ficava um pouquinho com ela, agarrada, depois a colocava para dormir. E ai voltava a fazer os trabalhos do seminário.
O dia em que fui dormir mais cedo foi o primeiro do seminário, às 2h da madrugada.

Sabe, enquanto estava lá, pude perceber o quanto havia me perdido. Logo eu que achava que sabia exatamente para onde estava indo...
Como disse, não culpo ninguém. Apenas estou constatando um fato e percebo que a maioria das mulheres deve passar por isso também.
Porque a gente tem que trabalhar, cuidar da casa, cuidar das contas, cuidar dos filhos e ainda ficar linda para o marido...
Ahã... e a gente? Não sobra tempo, né!

Esse seminário me ajudou a perceber que tudo depende apenas de mim. Que eu não posso mais culpar o dia por ter "apenas" 24h. Que eu não posso culpar ninguém além de mim por ter mais amigas online do que offline! Que não posso culpar minha filha pelo fato de eu "não ter mais o direito" de ir e vir quando bem entender. Como disseram lá, esse negócio de "a culpa é minha, eu ponho em quem eu quiser" não rola mais!
O seminário era sobre o comportamento de um empreendedor, e o que é a vida senão o nosso maior empreendimento?

Lá jogaram na minha cara que eu tinha esquecido de mim, que eu não olhava pra dentro...
Eu estava me privando e privando todos que estão do meu lado, do meu melhor!

Estou escrevendo tudo isso porque sempre fui assim: quanto mais escrevo, mais a idéia vai se firmando em minha mente. Então, tudo isso é pra mim, mas também pode servir pra você.

E ai por muitas vezes a vida vai te levando e você não pode pedir para descer, né!
Tem que se resolver, ao mesmo tempo que resolve todo resto à sua volta!

Hoje penso que faço parte de algo muito especial. Faço parte de um grupo de pessoas que participaram desse seminário e que mudaram suas atitudes e, consequentemente, seus resultados.
Quando ying chega a seu ponto máximo, se transforma em yang, e vice-versa.
Eu estou nessa fase. Estou tentando rasgar a fantasia e colocar minha cara a tapa pro mundo de novo. (E eu achava que já estava fazendo isso! É... o buraco é mais embaixo!)



Não é fácil! Mas quem disse que seria?
É preciso ter coragem, muitas vezes, pra não agir por impulso e estragar tudo. Muitas vezes dar um passo para trás é caminhar para frente (outra coisa que aprendi lá...).

Mas, vamos lá: onde foi que eu me enfiei?
Cadê aquele desejo, aquele ideal, aquele objetivo que estampava um sorrisão no meu rosto, sem que eu me desse conta?
Cadê o brilho nos olhos? Ele está aqui sim! Não, eu não o perdi! Só o escondi.

Sabe um negócio que me ajudou a começar esse processo?
Vislumbrar o que estarei fazendo daqui a 20 anos.
Já parou pra pensar? O mais legal é que daqui a 20 anos você já vai ter terminado de pagar o carro, sua filha não vai mais estar usando fraldas e você pode estar em qualquer parte do mundo, porque todos os obstáculos desaparecem em 20 anos. Daqui a 20 anos você não tem mais desculpa!
E daqui 20 anos você vai querer fazer o que é especial pra você! Algo que valha a pena.
É quando você vislumbra seu futuro daqui 20 anos que as coisas começam a mudar no presente. Porque aquele sorriso, aquele brilho nos olhos, tudo isso volta! Você sente dentro do peito a realização daquela menina de 22. E, putz, tem que acontecer!
Volta a tona e se torna uma meta, um objetivo.
Pra mim, esse está sendo o primeiro passo. É o que reacendeu a luz do meu peito (né, mãe!) e faz com que eu tenha gás todos os dias, e também tenha fé de que eu nunca estou sozinha porque Deus está sempre comigo. Estamos todos conectados.



Antes, acordar antes das 7h pra mim era tortura.
Hoje, acordar às 6h me dá o maior prazer, porque sei que meu dia vai ser incrível, vou conseguir realizar muita coisa, e esse dia vai valer a pena.

E ai? Onde a menina de 22 vai estar em 2032?

[Se quiser, dê uma olhada neste post que escrevi para o blog do Elo7. Lá eu compartilho um exercício que fiz de visualização dos 20 anos e que mudou minha vida!]

Obrigada por estar comigo neste momento. Obrigada por me "emprestar os olhos/ouvidos"!
Me sinto bem melhor quando posso "conversar"...